jusbrasil.com.br
31 de Março de 2020

Promoções Comerciais: redes sociais e novas tecnologias

Estratégia de marketing para os empresários que desejam potencializar seus lucros e superarem seus concorrentes

Lucas Gandolfe, Advogado
Publicado por Lucas Gandolfe
há 2 meses

É fato público e notório que as redes sociais e demais tecnologias digitais influenciam novas práticas e maneiras de ver o marketing, tornando-se mais uma ferramenta dos empresários para alavancar sua marca e lucros através das promoções comerciais.

O autor Bassi (2015) afirma que o Facebook é a rede social com o maior número de usuários e alcança 68% dos que estão conectados em alguma rede social. Na sequencia vem o Twitter, que se caracteriza por ser uma ferramenta de marketing de conteúdo, tratando cada internauta de forma única, trazendo, assim, mais seguidores engajados naquela determinada personalização. Ainda, o Instagram cativa o público com imagens, destacando as marcas e momentos significativos. Costuma ser uma excelente ferramenta para realizar vídeos e fotos das empresas, intensificando o destaque da promoção comercial.

Assim, vemos que o marketing digital junto à internet tornou-se uma ferramenta imprescindível para o setor empresarial, funcionando como uma estratégia operacional, visando à comunicação entre fornecedores (benchmark, por ex.), a captação de novos clientes e sua fidelização, satisfazendo suas necessidades, bem como efetuando a coleta de dados e informações dos potenciais consumidores[1] (Vaz, 2010).

Atualmente, os consumidores se tornaram um elo de retorno direto com as organizações. Eles opinam e fazem parte do processo de construção de uma ação de marketing e de uma promoção comercial. É a “era do conhecimento”, na qual as redes sociais trazem importantes vantagens ao setor empresarial (Castells, 2015).

Entretanto, apesar dos limites sem fronteiras dos novos meios tecnológicos e a aparente liberdade fornecida pelas redes sociais, toda e qualquer promoção comercial de uma empresa brasileira por meio das mídias digitais precisa de autorização do órgão governamental competente.[2]

Dessa forma, o empresário que for se utilizar do Facebook, Instagram, Twitter, por exemplo, deverá cumprir com as regras previstas na legislação, prevendo as condições de participação, cumprindo com os respectivos prazos, promovendo a prestação de contas e pagando os valores devidos.

É nesse momento que, para não perder a oportunidade de se utilizar dessa poderosa ferramenta chamada “redes sociais”, com o intuito de potencializar as estratégias de marketing, alavancando suas vendas e divulgações dos seus produtos e/ou serviços, bem como da sua própria marca, deverá o empreendedor brasileiro estar munido de uma assessoria jurídica especializada, garantidora da ampliação dos horizontes financeiros, com maior segurança jurídica.

[1] Frisamos aqui, a necessidade do setor empresarial se atualizar frente à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), regida pela Lei nº 13.709/18, que regula as atividades de tratamento de dados pessoais.

[2] FAZENDA, Ministério. “Por trás da Sorte. Panorama e análise do mercado de loterias e promoção comercial“. Livro institucional.

0 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)